Artigos

Pensão por morte e o novo casamento

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Quem recebe pensão por morte do marido ou esposa falecido, pode casar novamente? Vamos te explicar tudo que você precisa saber sobre isso a seguir.

A Lei garante à esposa, ao marido e aos companheiros e companheiras o direito ao recebimento da pensão por morte em razão do falecimento daquele que contribuía com a Previdência Social.

A dependência, nesse caso, é presumida. Ou seja, a pessoa não precisa provar que era dependente da outra que faleceu.

Os benefícios concedidos a partir de 2015 somente serão vitalícios. Ou seja, por toda a vida, caso a(o) pensionista tenha 44 (quarenta e quatro) anos de idade ou mais. Mas essa é apenas uma limitação em razão da idade. Confira a tabela ao final do texto.

Mas mesmo para os benefícios anteriores a 2015 e também para os novos, o novo casamento em nada influencia ou atrapalha o recebimento do benefício atual.

Ou seja: a pessoa pode se casar novamente ou até mesmo conviver em união estável com outra, independente da renda desta, que o benefício não será cortado, em hipótese alguma.

Novo benefício

Uma possibilidade que pode ocorrer é, em havendo o óbito do novo companheiro ou companheira, e existindo direito ao recebimento de pensão por morte, não poderá haver a acumulação entre dois benefícios, devendo a pessoa optar por aquele que lhe for mais vantajoso financeiramente.

E se a pessoa que faleceu deixou outros dependentes?

Não é rara a situação na qual um(a) pensionista é surpreendida(o) com a notícia de que o(a) falecido(a) vivia com outra pessoa, que agora está requerendo o benefício também.

Nesse caso, é possível o rateio, ou seja, a divisão do benefício, desde que o(a) falecido(a) não estivesse impedido de contrair novo matrimônio com a pessoa que agora está pedindo o benefício.

É que a legislação brasileira impede a bigamia. Isto é, que uma pessoa se case ao mesmo tempo com outras duas. Mas se ficar comprovado, por exemplo, que o(a) falecido(a) já estava separado(a) de fato de outra pessoa, e que já havia contraído união estável com outra, é possível a concessão do benefício a quem conviveu com o(a) falecido(a) por último, independente do fato de não ter ocorrido a separação judicial em relação à(o) primeira(o).

Tabela com o tempo de recebimento da pensão por morte conforme a idade da(o) pensionista:

1) 3 (três) anos, com menos de 21 (vinte e um) anos de idade;

2) 6 (seis) anos, entre 21 (vinte e um) e 26 (vinte e seis) anos de idade;

3) 10 (dez) anos, entre 27 (vinte e sete) e 29 (vinte e nove) anos de idade;

4) 15 (quinze) anos, entre 30 (trinta) e 40 (quarenta) anos de idade;

5) 20 (vinte) anos, entre 41 (quarenta e um) e 43 (quarenta e três) anos de idade;

6) vitalícia, com 44 (quarenta e quatro) ou mais anos de idade.

Leia também nosso artigo que explica como receber a pensão por morte!

Esperamos ter ajudado até aqui!

Quando alguém precisa enfrentar o INSS judicialmente, é possível ingressar com o processo até mesmo sozinho ou com o apoio de um Defensor Público. Mas também, caso prefira, pode contratar um profissional de sua confiança.

Nosso escritório é especialista na defesa de segurados da Previdência Social, o INSS. 

Temos um time completo de advogados que atuam desde o requerimento administrativo no INSS até o pedido na Justiça Federal. 

Se você prefere fazer uma consulta mais específica do seu caso com o nosso time de advogados, temos vários canais de atendimento.

Artigos relacionados

WhatsApp chat