Artigos

Confira as principais mudanças no INSS durante a pandemia

4 Principais mudanças no INSS durante a pandemia

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Não é segredo para ninguém que a pandemia causada pela Covid-19 mudou o mundo.

E claro, no INSS não seria diferente.

Desde o ano passado, a instituição teve que adotar algumas mudanças para que não fossem paralisados os atendimentos.

Tendo em vista que as agências do INSS, em sua grande parte, se mantiveram fechadas a fim de evitar aglomerações.

Agora, em 2021, mesmo com a tão aguardada chegada das vacinas, os números de casos referentes à Covid-19 só aumentam, infelizmente.

Com isso, o INSS novamente teve que adotar mudanças para conseguir continuar com os atendimentos.

O que foi muito importante para manter a liberação de alguns benefícios solicitados mesmo durante a pandemia.

Tendo em vista que não é justo o segurado, com direito a receber o seu benefício, ser prejudicado justamente nesse momento tão complicado.

Por isso, reuni aqui para você as principais mudanças no INSS durante a pandemia.

Confira!

Prova de vida digital

Que a realização da prova de vida é muito importante para continuar recebendo o seu benefício, isso você já sabe.

Mas, com a prova de vida obrigatória suspensa desde o ano passado, o formato digital desse importante procedimento já é uma realidade para os beneficiários do INSS.

Isso porque, sem dúvidas, a prova de vida digital é uma forma bem mais acessível ao segurado do INSS de realizar a sua comprovação de vida.

Sendo feita através do reconhecimento facial do beneficiário: basta fotografar o seu rosto com a câmera do celular.

E para que isso aconteça, o INSS utiliza documentos pessoais, como a CNH ou título de eleitor, que já têm a biometria cadastrada no sistema.

  • Em um outro artigo, eu te mostro o passo a passo da prova de vida digital. É só clicar aqui para conferir!

A prova de vida digital foi fundamental nesse período de isolamento social. Mesmo antes da pandemia, esse formato já estava sendo testado.

Porém, o INSS teve que acelerar e ampliar esse teste para que alcançasse a maior parte dos beneficiários.

Auxílio-doença sem perícia médica

Por conta da pandemia, em 2020, as perícias médicas para o auxílio-doença foram realizadas através de exames médicos enviados pelo aplicativo ou site do INSS.

Foi a chamada antecipação do auxílio-doença, que chegou ao fim no início desse ano.

Assim, quem precisava do auxílio-doença teve que voltar a agendar perícia médica nas agências do INSS.

Contudo, uma nova lei autorizou que esse benefício seja liberado sem a realização de perícia presencial, semelhante ao que foi feito em 2020.

Mas, há algumas mudanças em relação ao ano passado, veja:

  • Além de laudos e atestados médicos, o INSS está autorizado a solicitar outros documentos para comprovação;
  • A duração desse benefício é de até 90 dias;
  • Após o seu término, caso o segurado ainda permaneça incapacitado, deverá solicitar um novo auxílio-doença.

Esse serviço já pode ser solicitado no aplicativo ou site do Meu INSS.

Basta ir em Benefícios > Auxílio-doença > Novo requerimento.

Lembrando que se você pretende solicitar esse benefício, é necessário ter:

  • qualidade de segurado;
  • no mínimo 12 meses de contribuições ( não há contribuições mínimas em caso de acidente);
  • afastamento por mais de 15 dias do trabalho (caso esteja empregado);
  • documentos médicos que comprovem a incapacidade (atestados, laudos, radiografias, entre outros).

Renda mínima do BPC-LOAS

Ser de baixa de renda, tendo renda mínima por mês, é o principal requisito para receber o BPC-LOAS.

Assim, você precisa fazer um cálculo bem simples para saber se é de família baixa renda.

Para fazer esse cálculo, basta somar toda a renda mensal do grupo familiar e dividir pela quantidade de pessoas.

E a renda máxima exigida nesse ano por cada pessoa da família é de até um 1/4 do salário-mínimo (R$275,00 reais).

No entanto, durante a pandemia, esse critério foi modificado.

Uma nova regra determinou que a renda máxima para cada membro do grupo familiar pode ir até meio salário-mínimo.

Além disso, outra lei recente, estabeleceu que os benefícios do INSS de familiares não entrarão mais para o cálculo da renda.

Aumento no limite do empréstimo consignado

Em meio à crise causada por essa pandemia, além do governo, ter diminuído os juros máximos para o crédito consignado, uma nova medida ampliou a margem do empréstimo.

Agora, o aumento no limite do empréstimo consignado foi de 5%, totalizando 40% com base no valor do benefício do segurado.

Esse aumento é válido para empréstimos feitos até o final desse ano de 2021.

E de acordo com INSS, essa medida pretende tornar mais acessível essa opção de crédito, tendo em vista a crise econômica.

Após fazer a solicitação do consignado, o valor das parcelas será descontado diretamente da folha de pagamento do beneficiário.

Contudo, é necessário ficar muito atento! O golpe do empréstimo consignado é um dos mais comuns entre os aposentados e pensionistas do INSS.

Resumindo

  • Em meio à pandemia, o INSS teve que adotar mudanças para continuar com os serviços da previdência;
  • A prova de vida ganhou um novo formato, agora é digital e pode ser feita pelo celular;
  • O INSS pode conceder o auxílio-doença sem a exigência da perícia, sendo necessário que o segurado faça o envio dos laudos pelo aplicativo;
  • Novas medidas alteraram o critério de renda do BPC-LOAS;
  • Por fim, o governo aumentou 5% do limite para o empréstimo consignado.

Realmente foram várias mudanças no INSS, com muitas informações. Por isso, caso ainda tenha dúvidas, ligue para a central 135, ou busque um advogado especialista de sua confiança.

Gostou dessas informações? Compartilhe com um conhecido ou alguém que precise saber disso!

▶️ Acompanhe nossas redes sociais: Facebook | Instagram | TikTok

Artigos relacionados

WhatsApp chat